21 de dezembro de 2018

Resenha: A Face Amarela


Oi pessoal! Hoje a resenha é sobre um livro curtinho, um conto, na verdade, do nosso detetive Sherlock Holmes. Vamos à sinopse? 

O Mr. Grant Munro procura Sherlock Holmes por suspeita de adultério, recentemente uma casa próxima da sua recebeu novos moradores, que eram uma velha magra, e uma pessoa que não se sabe se é homem ou mulher, que possui uma face amarela e um semblante doentio, Munro já viu a face diversas vezes, e se surpreendeu após certo dia ver sua mulher saindo da casa que tinha tão estranhos moradores, Munro passa a suspeitar que sua mulher esteja traindo-o.
ATENÇÃO PARA SPOILERS!! 


A história foi publicada lá em 1893, na Strand Magazine e faz parte da série Memórias de Sherlock Holmes. O livro tem 95 páginas, então conseguimos ler rapidinho. É sempre interessante ver a forma de trabalho de Holmes e os casos mais curiosos que aparecem para que ele resolva.

É um caso curioso e diferente do que vamos ler em outras histórias do detetive, pois a teoria de Holmes fracassa, embora a verdade venha à tona, esse caso ficou marcado para o detetive como uma prova que não importa quão bom ele seja, ele ainda pode errar. Outro ponto também que lemos e que talvez vocês não saibam, é que Holmes era viciado em cocaína, o uso era liberado no século XIX na Inglaterra. Sabemos disso pois Watson está claramente preocupado com o amigo.

E um ponto que também notamos no livro é o forte preconceito racial, revelado no final do livro, como motivo para a preocupação da esposa de Munro. Como disse antes, é um livro rápido de ser lido, com várias questões a serem consideradas e um final que para mim foi surpreendente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Leave your comment!