Resenha: O Adversário Secreto


Título: O Adversário Secreto
Autor(a): Agatha Christie
Ano: 1922 (1ª publicação)
Gênero: Espionagem/Policial
Editora: Globo Livros

Oi pessoal! Mais um livro da rainha do crime resenhado para vocês! O livro da vez é O Adversário Secreto, um livro de espionagem cheio de tensão. Vamos à sinopse?

1915. O navio de passageiros RMS Lusitania acabara de ser torpedeado por forças alemãs. Seu fim era inevitável. A bordo, um homem misterioso deposita todas as suas fichas em uma jovem desconhecida, ao confiar-lhe documentos secretos. Certamente, ela teria maiores chances de sobreviver ao desastre, embarcando em um dos poucos botes salva-vidas restantes. Se os documentos caíssem nas mãos erradas, o futuro dos países aliados estaria comprometido. Alguns anos depois, Tuppence Cowley e Tommy Beresford, esse simpático casal de jovens amigos de infância, encontram-se por acaso na saída de uma estação de metrô. Desempregados, buscando a reinserção diante das dificuldades na vida do pós-guerra e ávidos por aventuras, decidem publicar um anúncio oferecendo seus serviços, “dispostos a fazer qualquer coisa”. O destino faz das suas e, antes mesmo de conseguirem veicular a mensagem, recebem um convite de um homem que ouviu a conversa inadvertidamente e acabam se envolvendo na busca dos documentos secretos perdidos no Lusitania. Seguindo as pistas, descobrem que os comprometedores documentos, após resistir ao famoso naufrágio, estariam nas mãos de uma moça chamada Jane Finn. Os jovens e inexperientes detetives, então contatados pelo serviço secreto britânico, partem no encalço da misteriosa moça com o dever de encontrá-la antes de mr. Brown, gênio criminoso que deseja utilizar os documentos para ampliar seu poder pelo mundo. Tommy e Tuppence, personagens dos mais instigantes e enérgicos de Agatha Christie, terão que usar tudo o que sabem para se antecipar a mr. Brown e sua assustadora onipresença.

Esse é o primeiro livro no qual os jovens aventureiros Tommy e Tuppence aparecem e como de costume, Agatha Christie sabe como criar detetives cativantes como ninguém. Mas não só eles são bem construídos, os outros personagens essenciais para a trama também são bem sólidos. A história não é tão curta como outros livros da autora, mas temos tensão o tempo todo. A trama é muito bem bolada e intrigante, difícil não querer ler tudo de uma vez só.

O legal da história é que a autora sabe criar diversos detetives com características diferentes. O nosso casal protagonista aqui é impulsivo, imprudente e destemido, diferente de Poirot e Miss Marple, que são sempre guiados pela cautela e experiência. A narrativa é fluida do início ao fim. O desenrolar da história não foi nenhum pouco previsível para mim, então tudo o que aconteceu foi sempre surpresa. Minhas suspeitas sobre o criminoso da história se confirmaram (finalmente, depois de várias tentativas, acertei \o/) e apesar de ter visto várias pessoas falando que foi um livro mais previsível do que o habitual, eu discordo dessa opinião.

É um livro que não vamos ver táticas de investigação e métodos precisos de busca, pelo contrário, Tommy e Tuppence são muito mais intuição, e talvez por isso eu gostei bastante. Por ter sido algo fora do padrão. Recomendo muito a leitura desse livro, principalmente para aqueles que buscam uma aventura frenética com personagens divertidos.