31 de março de 2019

Resenha: Starters

março 31, 2019 0 Comments

Título: Starters
Autor(a): Lissa Price
Ano: 2012
Gênero: Ficção Científica, Distopia
Editora: Novo Conceito

Olá amigos leitores! Mais um livro resenhado para vocês, dessa vez de uma distopia que foi publicada lá em 2012 e não tinha ouvido falar até então. Também foi a minha primeira vez lendo um livro da Lissa Price. Contei tudo para vocês aqui no post. Vamos à sinopse?

Callie perdeu os pais quando as guerras de Esporos varreu todas as pessoas entre 20 e 60 anos. Ela e seu irmão mais novo, Tyler, estão se virando, vivendo como desabrigados com seu amigo Michael e lutando contra rebeldes que os matariam por uma bolacha.A única esperança de Callie é Prime Destinations, um lugar perturbado em Berverly Hills que abriga uma misteriosa figura conhecida como o Old Man. Ele aluga adolescentes para alugar seus corpos aos Terminais — idosos que desejam ser jovens novamente. Callie, desesperada pelo dinheiro que os ajudará a sobreviver concorda em ser uma doadora. Mas o neurochip que colocam em Callie está com defeito e ela acorda na vida de sua locadora, morando em uma mansão, dirigindo seus carros e saindo com o neto de um senador. Parece quase um conto de fadas, até Callie descobrir que sua locatária pretende fazer mais do que se divertir — e que os planos de Prime Destinations são tão diabólicos que Callie nunca podia ter imaginado...

Como vocês podem perceber, o livro nos apresenta um mundo totalmente transformado pela Guerra de Esporos. E é nesse mundo que acompanhamos a sociedade em que Callie vive junto com seu irmão Tyler e seu amigo Michael. Uma sociedade totalmente dividida entre Enders (pessoas muito velhas) e Starters (crianças e adolescentes), e entre ricos e pobres. Os ricos claro, vivem muito bem, enquanto que os pobres precisam fugir, sobreviver e procurar alguma comida no meio de toda a dificuldade que é a sua vida. É dessa forma que nossa protagonista vive.

Os personagens são bem elaborados, sua história de fundo é bem interessante e os que vão aparecendo durante a trama têm um propósito, ao invés de apenas estarem enchendo páginas. Confesso que achei o livro parado até certo ponto, a história demora um pouco para empolgar. Alguns elementos provavelmente apareceram em outras distopias, mas não tive a sensação de estar lendo um clichê. A trama ao meu ver foi bem original. A autora soube escrever bem e fazer o leitor imaginar o mundo futurista que ela nos apresenta. A capa do livro merece uma menção aqui, pois ficou maravilhosa.

A parte final do livro é muito boa, o destino de alguns personagens em particular me pegou de surpresa e o desenrolar da história foi surpreendente. O romance também está presente, pois temos alguns casais formados. O final com certeza vai fazer com que você queira ler o segundo livro imediatamente, principalmente porque há pontas soltas que com certeza serão resolvidas na continuação.

No geral, gostei do enredo e recomendo se você está buscando um livro com uma trama diferente para ler.


29 de março de 2019

Resenha: Greed (Amber Monroe Crime Thriller Book 1)

março 29, 2019 0 Comments

Título: Greed (An Amber Monroe Crime Thriller - Book 1)
Autor(a): C.M. Sutter
Ano: 2018
Gênero: Policial
Editora: Independente

Olá amigos leitores! Depois de um tempo sem resenhas por aqui (provas na faculdade), consegui finalmente terminar Greed e disponibilizar a resenha para vocês. O livro foi meu primeiro contato com a escrita de C.M. Sutter e conto para vocês o que achei nesse post. Vamos à sinopse?

A delegada de Washburn County, Amber Monroe está seguindo os passos da sua irmã, Jade. Ela devora tudo que pode durante seu treinamento para detetive na esperança de ser promovida em breve. Viver numa pequena cidade americana tem suas vantagens, como o senso de segurança; e desvantagens, como estar perto de Milwaukee e seus crimes. Washburn County se tornou terreno de despejo de vítimas de assassinatos, graças à cidade vizinha. Quando dois homens são descobertos ao redor de North Bend, cada um com uma bala na cabeça, o time de Amber, liderados pelo Tenente Jack Steele, vai atrás do assassino. Ajudados pelo Departamento de Polícia de Milwaukee, ele vão fundo em Brew City, o que revela mais do que todos imaginavam. Crimes envolvendo assassinato e falsificação de dinheiro, fazem com que o time vá em todas as direções, mas é a atração de Amber por um homem em North Bend que a coloca à frente na lista do assassino. 
A primeira impressão que eu tive é que o livro parece ser a continuação de outra história, mesmo sendo o primeiro de uma série. Só então depois de pesquisar é que entendi que Greed começa onde a saga de Jade, irmã de Amber, termina. Mas apesar disso, o livro pode ser lido sem problemas. Pelo que percebi os personagens se repetem em ambas as histórias e foi diferente para mim pois não vi o desenvolvimento de todos os personagens acontecerem, eles simplesmente já estavam lá, já tinham tido seu envolvimento e a história parte disso. Outra coisa que acontece é a repetição de termos e expressões, acho que perdi as contas de quantas vezes li "sure thing" a cada página.

Tirando os aspectos referidos anteriormente, o livro consegue prender o leitor, principalmente depois que a história engata. A forma como a autora dividiu os capítulos, sempre nos deixando curiosos para ler mais, foi uma excelente sacada. Sua escrita bem direta também ajudou a evitar enrolações, tornando o livro simples de ler, além de estar bem revisado - o livro não contém nenhum erro que eu consegui identificar (sempre algo muito positivo). Entretanto, a trama está em inglês e a menos que você domine o idioma, não será tão simples assim ler.

Algo que eu gostei bastante, foi o fato da protagonista ser uma mulher, pois não é tão comum vermos personagens femininas no meio policial e acho importante mostrar que mulheres também podem combater o crime. Toda a premissa da trama é excelente, também por mostrar que um livro policial não precisa necessariamente ser sobre serial killers.

No geral, achei o livro muito bom. Claro que a escrita da autora pode amadurecer, a construção dos personagens e o desenvolvimento pode melhorar, mas ela está no caminho certo. Não hesito em recomendar o livro, principalmente se você gostar do gênero.

25 de março de 2019

Resenha: Viking Tales

março 25, 2019 1 Comments

Título: Viking Tales
Autor: Chris Rose
Ano: 2014
Gênero: Fantasia, Infanto-Juvenil
Editora: MacMillan

Olá amigos leitores! Resenha liberada de mais um livro de fantasia aqui no blog, dessa vez sobre alguns contos da mitologia nórdica. O livro está todo em inglês, mas o nível utilizado é bem básico então é bem tranquilo de ler. Vamos à sinopse?

Bem-vindo ao emocionante mundo de Thor e de outros deuses dos vikings. É um mundo onde humanos e deuses vivem lado a lado, junto com gigantes ferozes e elfos-noturnos mesquinhos. Nessas cinco histórias, você descobrirá que é muito difícil prender um lobo gigante; quem roubou o martelo de Thor; quem pode fazer truques melhores que Loki e muito mais.

A obra na verdade é uma coleção de contos sobre os deuses da mitologia nórdica, então não estranhe o fato de Thor e Loki serem presença constante nos contos aqui retratados. As histórias mostram algumas das aventuras dos irmãos e o interessante é perceber as diferenças entre o que é exibido nos filmes da Marvel (que provavelmente foi o primeiro contato de muita gente com essa mitologia). Thor, por exemplo, é conhecido por ser um deus não muito inteligente, um tanto fora de forma e que por qualquer coisa se irrita. Loki, é muito mais comedido na versão do livro, ele gosta de pregar alguns truques, mas é muito sensato nas suas decisões, aconselhando Thor diversas vezes a não fazer alguma besteira.

Personagens como Odin e as Valquírias também aparecem aqui, assim como Asgard e a ponte Bifrost. A terra é chamada de Midgard e o inferno, a terra dos mortos, de Hel. Particularmente, eu gosto bastante de ler sobre a mitologia de outros locais, acho sempre muito válido entender um pouco de uma cultura que não é minha.

O livro é curto, o inglês utilizado não é difícil, é uma leitura rápida e simples. Recomendo para aqueles que se interessam pelo tema e querem conhecer pela primeira vez ou querem ler mais histórias sobre Thor e Loki.

24 de março de 2019

Resenha: O Chamado do Caçador

março 24, 2019 0 Comments

Título: O Chamado do Caçador
Autor(a): K.G. Joner
Ano: 2017
Gênero: Fantasia
Editora: Independente

Olá amigos leitores! Resenha liberada para vocês, mais um livro nacional do gênero fantasia. O Chamado do Caçador pertence a série Contos de Velgrad, escrito por Kaio Gabriel Joner. É a primeira vez que faço a resenha do trabalho do autor aqui e conto tudo para vocês. Vamos à sinopse?

Após quatro anos sozinho, Vicente faz uma visita à vila onde seu antigo companheiro de jornada se estabelecera. Tinha esperanças de que o reencontro o ajudasse a aposentar sua espada, a abandonar o ofício de caçador, a buscar um novo propósito… No entanto, a vila lhe guardava mais um trabalho a ser feito: enquanto crianças desaparecem de dentro de suas casas, um monstro vaga pela noite perturbando o descanso dos mortos. Que aquela fosse, então, sua última caçada.

Aqui acompanhamos a trama de Vicente, um personagem cheio de conflitos internos e que passa boa parte da história tentando entender qual o seu chamado. Apesar de ser um livro de fantasia, o autor flerta várias vezes com essa questão mais introspectiva do personagem, a respeito do seu chamado, para que veio ao mundo e sobre esse papel de caçador que ele representa.

A escrita é simples, fácil de ser lida e por ser um conto, acaba sendo bem rápido de ler. Entretanto, achei o ritmo um tanto quanto lento. Na minha opinião, muitas páginas do livro foram dedicadas aos questionamentos pessoais do caçador e achei que a ação foi deixada de lado. Os diálogos elaborados foram bem sagazes, gostaria até que houvessem mais, pois acho que daria aquele "up" na história. Eu não consegui me apegar muito aos personagens porque foi um livro curto, com um desenvolvimento lento. Acredito que se houvessem mais páginas, teria tido mais chances de criar uma relação com os personagens do livro.

Gostei bastante da sacada do autor de ter utilizados nomes nacionais em um período medieval, onde é bem comum nos depararmos com nomes de origem inglesa. A fantasia do livro até me surpreendeu um pouco, pois na verdade estava esperando algo que está "na moda" por assim dizer, como dragões, mas me deparei com uma fantasia bem dark. Há quem diga que lembra The Witch.

No geral, o livro teve um gosto de que podia ter sido melhor se fosse mais longo. Fico muito na dúvida se recomendo esse livro em específico, mas recomendaria o autor pelo potencial demonstrado. Acredito que em outros livros ele possa ter mostrado mais do seu talento.


22 de março de 2019

Resenha: A Princesa e o Highlander

março 22, 2019 0 Comments

Título: A Princesa e o Highlander
Autor(a): Joice Mascena
Ano: 2018
Gênero: Romance de época
Editora: Independente

Olá amigos leitores! Mais um livro lido e que tenho o prazer de disponibilizar a resenha para vocês. O romance de época, A Princesa e o Highlander é da autora parceira do nosso blog, a Joice Mascena. Esse é o terceiro livro que leio dela e conto tudo para vocês aqui. Vamos à sinopse? 

Lis é a única filha e herdeira do rei da Inglaterra. Faltando um ano para casar-se, ela decide passar uma temporada na Escócia onde sua tia vive, atrás de respirar novos ares e viver novas experiências antes que esteja trancafiada para sempre em um casamento sem amor. Ela só não contava encontrar-se com Max Sinclair, um destemido highlander que a tiraria de seu eixo e mostraria o que era a vida real. De uma linda amizade que nascera entre os dois, surge também um lindo e impossível amor. Como um simples highlander poderia desposar a futura rainha da Inglaterra?

Esse é mais um livro da autora em que ela explora o tema "highlander" (leia Conquistada por um Highlander) para criar o casal para seu romance. A história é um tanto clichê, com aquela receita da inglesa que se apaixona pelo escocês e formam um casal proibido. 

Eu gosto da escrita da Joice, ela tem uma forma de envolver o leitor na história, mesmo que seja num clichê e você já tenha lido algo parecido por aí. Porém duas coisas precisam ser ressaltadas nesse livro: o desenvolvimento dos personagens e a falta de revisão. O casal principal foi bem desenvolvido, entretanto, outros personagens foram simplesmente esquecidos. Casais secundários que ela nos apresentou não ganharam nenhuma menção no final para a gente saber que fim levaram. Uma personagem que tinha tudo para ser uma vilã em potencial, foi esquecida, apresentada unicamente como uma personagem mimada. E um personagem que foi citado pouquíssimas vezes no livro, mudou o rumo de tudo no final. Existem alguns errinhos de português, mas que para um leitor atento não vão passar despercebidos. Sempre acho que escritores independentes precisam passar o livro para alguém ler antes de vendê-los. Faltou uma revisão mais minuciosa aqui.

O final foi diferente do que imaginei, pois deixou um gancho para um segundo livro que eu não esperava, podendo decepcionar os leitores que esperavam um final feliz aqui. A premissa para o próximo parece ser interessante, estou curiosa para saber se ela irá mesmo lançar a continuação e como irá explorar o tema proposto. Para mim mereceu uma nota 3/5. 

20 de março de 2019

Resenha: Talon (The Windwalker Archive Series - Livro 1)

março 20, 2019 0 Comments

Título: Talon (The Windwalker Archive - Livro 1)
Autor(a): Michael James Ploof
Ano: 2014
Gênero: Fantasia, Aventura, Infanto-Juvenil
Editora: Traveling Bard

Olá amigos leitores! Mais uma resenha disponível para vocês. O livro lido Talon, primeiro da série Windwalker Archive, está em inglês e por enquanto não vi uma versão em português. Foi um livro surpreendente, que particularmente comecei a ler sem muitas expectativas. Vamos à sinopse?

Nascido prematuro durante a época da praga que matou sua mãe, e abandonado por seu pai e criado por sua avó, Talon sempre sentiu que nunca pertencia a lugar nenhum. Por anos ele sonhou em crescer grande e forte como os outros ao seu redor. Mas quando o Miotvidr (o dia da medição da altura) vai ficando mais perto, ele começa a perceber que ele nunca será considerado um Vald, e será condenado a vila dos Skomm para viver uma vida de escravidão. Mal sobrevivendo ao espancamento no Miotvidr, Talon é banido para a vila. Lá, ele encontra amigos nos lugares mais improváveis e começa a pensar que ele terá alguma felicidade como um Skomm. Mas ele é desafiado a cada instante. Os Vaka sempre estão de olho nele, assim como o filho do chefe da tribo dos lobos. O Kelda Agaeti está chegando, chamado pelos Skoom de a noite da morte, oonde sete guerreiros das tribos próximas fazem uma matança na vila. Depois de mal sobreviver a um ataque de um Valda bêbado que matou uma dúzia de pessoas, Talon e seus amigos decidem fugir da ilha. Porém, Fylkin, o filho do chefe da tribo dos lobos, jurou matá-lo no Kelda Agaeti. 

Aventura, ação, magia, cultura, folclore e amor, são elementos dessa saga que com certeza vai prender o leitor em suas páginas. A trama oferece um equilíbrio entre todos esses elementos, juntamente com o desenvolvimento dos personagens e abordando toda a cultura bárbara de forma muito interessante. Em termos de cronologia, a série The Windwalker Archive é prelúdio para a série Whill of Agora, também do mesmo autor.

Talon é um personagem muito fácil de gostar, mesmo quando aquela clássica habilidade dos mocinhos de ver o bem em tudo e em todos faz com que ele não tome algumas atitudes que mudariam o rumo de toda a história. Ele ainda tem muito a se desenvolver, imagino que veremos uma grande evolução no personagem com os próximos livros. Os vilões também são muito bem construídos, ao ponto de fazer com que o leitor os odeiem. Todas as cenas foram muito bem detalhadas, dando espaço para a imaginação de quem lê.

O livro se provou uma montanha-russa de emoções, onde por muitas páginas se revelou bem violento e muito triste, ao ponto de chocar o leitor com as barbaridades retratadas, e em outros momentos foi muito empolgante, ao ponto de você querer ler mais rápido para saber o que acontece em seguida.

A história cumpre muito bem o seu objetivo, criando um mundo novo para quem lê e despertando o interesse para os próximos livros da série e do autor (eu particularmente quero ler tudo). É um livro que eu recomendo sem sombra de dúvidas e mal posso esperar para ler os próximos.

18 de março de 2019

Resenha: O Último Adeus de Sherlock Holmes

março 18, 2019 0 Comments

Título: O Último Adeus de Sherlock Holmes
Autor(a): Arthur Conan Doyle
Ano: 1917 (1ª publicação)
Gênero: Policial
Editora: Zahar

Olá amigos leitores! Resenha de hoje para vocês é de mais um livro de Sherlock Holmes, onde finalmente ficamos sabendo do último caso do detetive, encerrando sua cronologia profissional. Para quem gosta do detetive, o livro acaba assumindo um tom nostálgico por conta dessa despedida. Vamos à sinopse?

Em "O último adeus de Sherlock Holmes", publicado inicialmente em 1917, o detetive, à sua maneira inimitável e sempre acompanhado pelo dr. Watson, resolveu sete casos muito peculiares, que abrangem desde rapto e assassinato até furto e traição.
Desde a primeira publicação até hoje, o livro já completou mais de cem anos. É um clássico que não envelhece e que começou lá em 1917, na Strand Magazine, publicando os contos do detetive. O livro conta com os seguintes casos de Holmes:

  1. Vila Glicínia
  2. O Círculo Vermelho
  3. Os Planos do Bruce-Partington 
  4. O Detetive Moribundo
  5. O Desaparecimento de Lady Frances Carfax
  6. O Pé do Diabo
  7. Seu Último Adeus
Os contos envolvem diversos assuntos como referências ao vodu (assunto polêmico na época), temos a aparição do irmão de Holmes, desaparecimento de pessoas, Holmes e Watson colocam sua amizade à prova algumas vezes. Dizem que Seu Último Adeus foi escrito em um momento crucial para o autor e segundo os rumores, ele ficou enciumado pois a fama do detetive ultrapassou a sua e assim, ele decidiu finalizar as histórias do detetive. Não sei até que ponto isso é verdade, mas eu nunca duvido da capacidade humana.

De toda maneira, Holmes foi "finalizado" de uma forma brilhante e com um final surpreendente. Mas apesar do tom melancólico existente no final, outros livros sobre o detetive foram lançados posteriormente. Para quem lê Sherlock Holmes, esse livro é um "must read" na certa. 

17 de março de 2019

Resenha: A Queda da Casa de Usher

março 17, 2019 0 Comments

Título: A Queda da Casa de Usher
Autor(a): Edgar Allan Poe
Ano: 1839 (1a publicação)
Gênero: Terror
Editora: Dois Pontos

Olá amigos leitores! Mais uma resenha disponível para vocês! Edgar Allan Poe é um escritor que admiro bastante e que eu preciso ler mais. A Queda da Casa de Usher é um clássico da literatura mundial e que foi uma das inspirações para Bram Stoker escrever Drácula. Conto tudo sobre o livro nesse post. Vamos à sinopse?

Roderick Usher está gravemente doente e, para tentar trazer algum alívio de sua enfermidade, envia uma carta a um amigo de infância, convidando-o para que viesse lhe fazer companhia. O amigo, ao chegar à casa em que morava Usher e sua irmã, Lady Madeline, encontra um ambiente gélido e sombrio, onde a racionalidade se desmancha, e passa a acompanhar a degradação mental dos dois irmãos enquanto a casa partilha do mesmo destino de seus proprietários.

Terror é um gênero literário que gosto bastante mas que acabo lendo pouco, e pensando nisso foi que comecei a ler esse clássico do terror escrito por Poe. O livro é bem curto, tem 40 páginas (senão me engano), portanto você consegue ler rapidamente. A linguagem utilizada nessa edição achei acessível, como o livro foi escrito há muito tempo, normalmente tenho essa preocupação quando leio clássicos. Procuro sempre que eles sejam fáceis de serem lidos.

Mas não se engane por ser um livro curto, o autor consegue criar uma atmosfera de terror e suspense mesmo com poucas páginas. A tensão é crescente, a riqueza de detalhes está presente junto com uma boa dose de terror. A aura de mistério está presente em todas as páginas, fazendo com que o leitor use sua imaginação criando diversos cenários possíveis, cada um mais assustador que o outro. Não é a toa que esse livro é considerado um clássico.

Recomendo para os leitores que procuram uns calafrios na sua vida.


15 de março de 2019

Resenha: A Ascensão dos Dragões [Série Reis e Feiticeiros - Livro 1]

março 15, 2019 0 Comments

Título: A Ascensão dos Dragões [Série Reis e Feiticeiros - Livro 1]
Autor(a): Morgan Rice
Ano: 2015
Gênero: Fantasia, Aventura
Editora: Independente

Olá amigos leitores! A resenha de hoje é de um livro de fantasia que baixei gratuitamente no Kindle para conhecer outro livro da autora Morgan Rice. Dela eu já havia lido O Anel do Feiticeiro e foi uma leitura ok, e recentemente dei uma chance para Ascensão dos Dragões. Conto tudo para vocês nesse post, mas primeiro, vamos à sinopse?

Kyra, 15 anos, sonha em se tornar uma guerreira famosa, como seu pai, embora ela seja a única garota em uma fortaleza de meninos. Enquanto luta para entender suas habilidades especiais, - sua misteriosa força interior, ela percebe que é diferente dos demais. Mas um segredo quanto ao seu nascimento e sobre uma profecia está sendo guardado, deixando Kyra se perguntando quem ela realmente é. Quando Kyra atinge a idade prevista e um senhor local se aproxima para levá-la embora, seu pai planeja realizar um casamento para salvá-la. Mas Kyra se recusa, e começa sua própria jornada, por uma floresta perigosa, onde ela encontra um dragão ferido - e inicia uma série de eventos que mudarão o reino para sempre. Enquanto isso, Alec, um garoto de 15 anos, se sacrifica pelo irmão, assumindo o seu lugar durante a convocação e sendo levado para as Chamas, uma parede de fogo com cem metros de altura, pra impedir o avanço do exército de trolls em direção ao Ocidente. Do outro lado do reino, Merk, um mercenário que luta para deixar seu passado para trás, atravessa a floresta em busca de se tornar um Vigilante das Torres e ajudar a proteger a Espada de Fogo, a fonte de todo o poder mágico do reuno. Mas os Trolls também querem a Espada - e se preparam para uma invasão em massa que poderia destruir o reino para sempre.

A Ascensão dos Dragões para mim foi uma leitura bem positiva. Sendo uma história de fantasia, minha expectativa é que o livro me permita usar a minha imaginação, me apresente batalhas e mundos que já não existem mais. E A Ascensão dos Dragões cumpre exatamente isso para mim. O livro une elementos como fantasia, guerras, aventuras e claro, dragões. A história é cativante, tem os elementos certos para envolver o leitor e o entretenimento proposto valeu a pena.

A protagonista Kyria, é uma jovem de 15 anos que não quer seguir as convenções sociais, onde a mulher tem que casar e ser submissa ao marido. Pelo contrário, ela quer ser uma guerreira, lutar ao lado do pai e seus homens. Para os leitores que gostam de protagonistas femininas fortes, fiquem sabendo que Kyria é uma delas. O enredo vai nos apresentando a personagens que são fundamentais na história, ainda que alguns deles provavelmente terão sua importância revelada mais a frente na série.

Quando li os comentários sobre o livro antes de adquiri-lo, vi muitas pessoas reclamando de diversos erros de português. Não foi o meu caso. Não sei se a autora deu uma melhorada na tradução ou se o livro passou por uma revisão de 2015 para cá, mas o fato é que os erros que percebi foram poucos e não comprometeram minha experiência.

A Ascensão dos Dragões é aquele livro que te mostra uma trama envolvente, personagens bem construídos, te faz querer devorar tudo para descobrir o que vem pela frente, mas tem um porém. Você precisa estar disposto a aceitar alguns clichês e os erros de português (caso existam, como disse, em relação a isso não tive grandes problemas).

Se você se permitir na história, vai chegar a um final incrível que vai te deixar desejando pelo próximo livro da série.

14 de março de 2019

Resenha: O Assassinato de Roger Ackroyd

março 14, 2019 0 Comments

Título: O Assassinato de Roger Ackroyd
Autor(a): Agatha Christie
Ano: 1926 (1a publicação)
Gênero: Policial
Editora: Globo Livros 

Olá amigos leitores! Resenha de hoje é de mais um livro de Agatha Christie, um de seus livros mais famosos na verdade, onde nele estrela o popular detetive Hercule Poirot. Não é a primeira vez que faço uma resenha dos livros da autora, e quem me acompanha sabe que eu sou fã assumida. Contei tudo o que achei de O Assassinato de Roger Ackroyd aqui. Vamos para à sinopse?

Em uma noite de setembro, o milionário Roger Ackroyd é encontrado morto, esfaqueado com uma adaga tunisiana – objeto raro de sua coleção particular – no quarto da mansão Fernly Park na pacata vila de King’s Abbott. A morte do fidalgo industrial é a terceira de uma misteriosa sequência de crimes, iniciada com a de Ashley Ferrars, que pode ter sido causada ou por uma ingestão acidental de soníferos ou envenenamento articulado por sua esposa – esta, aliás, completa a sequência de mortes, num provável suicídio. Os três crimes em série chamam a atenção da velha Caroline Sheppard, irmã do dr. Sheppard, médico da cidade e narrador da história. Suspeitando de que haja uma relação entre as mortes, dada a proximidade de miss Ferrars com o também viúvo Roger Ackroyd, Caroline pede a ajuda do então aposentado detetive belga Hercule Poirot, que passava suas merecidas férias na vila.
Se em alguns livros de Agatha os leitores reclamam que ela não usa a sua velha fórmula de sucesso, nesse livro, ela é usada com força total. Temos um assassinato que nos é apresentado, os suspeitos e Poirot atuando encarregado de descobrir tudo. E claro, temos a autora nos confundindo a cada página. O Assassinato de Roger Ackroyd envolve ameaças, chantagens, vícios, heranças, relações amorosas e uma carta reveladora.

Em um período da sua vida em que havia se aposentado e buscava tranquilidade, Poirot é elencado a investigar essa trama surpreendente, com suspeitos e álibis aparecendo a todo instante. A narrativa é feita por outro personagem, o que torna o livro mais único ainda e permite que o leitor imagine todas as situações, acho até que seja uma técnica da autora para fazer com o que leitor não preste atenção aos detalhes. Isso torna o livro mais envolvente. 

Em relação ao assassino, mais uma vez meu palpite passou longe. No final, os fatos são ligados e ficam explícitos para o leitor de uma forma que acho difícil alguém não ser pego de surpresa. 

De fato, recomendo Agatha Christie para qualquer leitor que queira um livro envolvente e que busque conhecer a autora e o gênero. 

12 de março de 2019

Resenha: A Ilha de Coral

março 12, 2019 0 Comments

Título: A Ilha de Coral
Autor(a): R. M. Ballantyne
Ano: 1858 (1ª publicação)
Gênero: Aventura, Infanto-juvenil
Editora: Companhia Editora Nacional

Olá queridos leitores! Como vão as leituras de março? Terminei de ler A Ilha de Coral, um clássico que foi publicado há bastante tempo, mas que eu nunca tinha ouvido falar antes. O livro é para o público infanto-juvenil, mas também para aqueles que gostam de uma boa aventura. Vamos à sinopse?

Uma noite. logo depois que entramos nos trópicos, uma terrível tempestade destruiu nosso navio. A primeira rajada de vento levou dois de nossos mastros, restando apenas um de pé. Não havia espaço para mim no bote salva-vidas, mas ser deixado para trás salvou minha vida - e as vidas de Peterkin e Jack Martin, meus dois companheiros. "Venham garotos" disse Jack em um tom grave enquanto estávamos no navio esperando nosso destino, "Vejam que é impossível para aquele bote cheio de homens chegar na praia". Ele fez com que nós segurássemos em um remo solto e nos guiou para um abrigo em uma ilha de corais deserta... E assim começou nossa história. 

 A Ilha de Coral é um clássico que até o início do século XX era recomendado para leitura nas escolas americanas e chegou a ser recomendado até em um jornal. Mas mesmo sendo um livro que foi publicado há bastante tempo, ele não deixa de encantar os leitores. As aventuras dos três rapazes são emocionantes, envolvendo piratas e canibais, entre outras coisas. Inclusive, foi uma das coisas que mais prendeu ao livro, saber como eles iam sobreviver em uma ilha deserta e o jeito que dariam para ir de volta para casa.

É uma história que o leitor não fica entediado, e com o passar dos anos, o livro foi ganhando outras edições que o tornaram mais fácil de ler. Inclusive em inglês, que foi o meu caso. Algo que talvez possa incomodar alguns leitores, é o envolvimento do Cristianismo e de todo eurocentrismo que havia no século XIX. Particularmente não me incomodou, pois quando o livro foi lançado o mundo era completamente diferente.

Esse livro é um clássico que acabou sendo esquecido no tempo, mas que a leitura vale muito a pena para quem gosta de histórias de aventura envolvendo o alto mar.

10 de março de 2019

Resenha: My 100 Million Dollar Secret

março 10, 2019 0 Comments

Título: My 100 Million Dollar Secret
Autor(a): David Weinberger
Ano: 2006
Gênero: Infanto-juvenil
Editora: Lulu

Olá amigos leitores! Mais uma resenha para vocês aqui no blog, espero que gostem! My 100 Million Dollar Secret é um livro totalmente em inglês escrito por David Weinberger. Foi minha primeira experiência com a escrita do autor e conto tudo para vocês aqui nesse post. Vamos à sinopse?

Um garoto fica completamente confuso quando ganha $100.000.000 na loteria estadual e não pode contar a ninguém sobre isso.

A história é narrada pelo próprio Jake, que nos conta suas aventuras a partir do momento que ganhou Cem milhões de dólares na loteria. Achei a trama bem interessante, afinal, quantas vezes você já ouviu falar de um adolescente que ganhou na loteria? Bem, o problema para Jake é que seu pai é um jornalista que é totalmente contra jogar na loteria. E acompanhamos como um garoto de 13 anos tenta esconder esse segredo da família e como ele gasta seu dinheiro sem ser descoberto por ninguém.

Eventualmente, Jake acaba contando sobre sua fortuna para seus dois melhores amigos, Ari e Mimi e uma série de acontecimentos se desenrola a partir de então. Tudo nessa história é engraçado, desde a forma como Jake conseguiu o bilhete premiado até como isso muda sua vida. É um livro infanto-juvenil que envolve garotas chatas do colégio, um homem rico que é dono do jornal concorrente, uma irmã mais nova que pega piolho todo ano na escola e muito mais.

É uma leitura rápida, divertida e que carrega consigo algumas lições para os leitores que estão se aventurando nessa trama.

7 de março de 2019

Resenha: Acerto com o Passado

março 07, 2019 2 Comments

Título: Acerto com o Passado
Autor(a): Janice Maynard
Ano: 2017
Gênero: Erótico
Editora: Harlequin

Olá pessoal! Mais uma leitura concluída e como de costume venho trazer a resenha para vocês. Fugindo um pouco da tendência do blog nos últimos dias, li um livro de um gênero que não costumo ler com frequência, que é o romance erótico. Tenho minhas ressalvas com esse tipo de história. Contei toda a minha experiência com o livro aqui. Vamos à sinopse?

Ele era o filho do patrão… ela, da empregada.
O milionário Devlyn Wolf achou que seus dias de salvar donzelas em perigo haviam terminado. Afinal de contas, bancar o herói já lhe trouxera muitos problemas. Mas quando o destino coloca Gillian Carlyle novamente em seu caminho, ele sabe que não pode ignorá-la. Oferecer um emprego era o mínimo que Devlyn podia fazer para se redimir da maneira como a tratara na infância. Porém, ao passarem mais tempo juntos, a bondade de Gillian aos poucos derruba a barreira que Devlyn construíra ao redor do coração. E quando ela percebe como as feridas do passado ainda são dolorosas para Devlyn, sabe que, para curá-las, precisa entregar de vez seu coração.

Uma das minhas ressalvas com esse tipo de livro é que a maioria que eu li sempre me deixaram a sensação de que a história  é neglicenciada e o autor(a) foca apenas nas partes de sexo. Com Acerto com o Passado não foi muito diferente. O livro até tinha uma trama em potencial, aquele velho clichê do casal com diferenças sociais e tal, mas pra mim caiu no mesmo erro dos outros livros que já li. A trama ficou em segundo plano com a autora tentando encaixar cenas de sexo onde fosse possível.

Os personagens já se conheciam e quando se reencontram a autora não perde tempo para criar um cenário e envolvê-los. Inclusive achei tudo muito apressado. A impressão que ficou é que a autora não sabia o que escrever para preencher o livro e quando menos se espera o livro acaba. Sobre os personagens, não os achei convincentes em seus motivos e comportamentos. Posso dizer que faltou desenvolvimento. O livro todo é uma grande lacuna.

É uma leitura rápida que poderia ter prendido mais o leitor caso fosse mais trabalhada, muitas coisas ficaram soltas, principalmente no final. Por ser uma história clichê, também é difícil de surpreender o leitor. Enfim, esse é aquele livro para ser lido sem nenhuma expectativa, apenas com o propósito de entretenimento.

Resenha: Os Crimes ABC

março 07, 2019 0 Comments

Título: Os Crimes ABC
Autor(a): Agatha Christie
Ano: 1936 (1ª publicação)
Gênero: Policial
Editora: L&PM Pocket

Olá pessoal! A última leitura do carnaval foi o livro Os Crimes ABC da Agatha Christie. Quem me acompanha sabe que eu gosto bastante das obras da autora e com esse livro não foi diferente. Vamos à sinopse?

Há um serial killer à solta, matando suas vítimas em ordem alfabética. A única pista que a polícia tem é um macabro cartão de visitas que o assassino deixa em cada cena do crime: um guia ferroviário aberto na cidade onde a morte acontece. A Inglaterra inteira está em pânico com a sucessão de crimes – A: Alice Ascher, em Andover; B: Betty Barnard, em Bexhill; C: Sir Carmichael Clarke, em Churston – e o assassino vai ficando mais confiante a cada morte. Seu único erro é pôr à prova o orgulho de Hercule Poirot, um erro que pode ser mortal.

Os Crimes ABC é estrelado por Poirot, que nessa trama está à procura de um serial killer que está matando as pessoas seguindo a ordem alfabética. Como na maioria dos livros da autora, a escrita é envolvente e desperta a nossa curiosidade. Alguns leitores afirmam que a história demora mais para engatar, e como consequência, acabam demorando mais para ler. Eu tive uma experiência diferente, achei que a trama teve um ritmo bom, tanto que eu li em um dia.

A fórmula utilizada aqui é diferente, temos poucos detalhes, tudo permanece misterioso demais e por isso é praticamente impossível para o leitor adivinhar quem é o criminoso da história. Mas se vocês já leram Agatha Christie sabem que quando se trata de revelar o assassino da história, sempre há alguma surpresa. Em Os Crimes ABC não foi diferente, quando achei que a história já estava indo para seu desfecho, temos uma reviravolta.

O final foi um pouco confuso, pois como não tivemos tantas informações e passamos o livro todo "no escuro", a revelação pode ser um pouco difícil de acompanhar. No geral, a fórmula Agatha Christie + Hercule Poirot deu certo mais uma vez. E com certeza é um livro que o leitor não se arrepende de ler, apesar de não ser um dos melhores da autora.

6 de março de 2019

Resenha: Rise of the Iron Eagle (Book 1)

março 06, 2019 0 Comments

Título: Rise of the Iron Eagle (Book 1)
Autor(a): Roy A. Teel Jr.
Ano: 2014
Gênero: Policial, Suspense
Editora: NarroWay Press

Oi pessoal! Aproveitei o carnaval para colocar as leituras em dia e por coincidência acabei lendo vários livros que falam sobre serial killers. Rise of the Iron Eagle é um deles e foi um livro que me surpreendeu bastante. Ah, um lembrete: o livro tem cenas e linguajar para maiores de idade.Vamos à sinopse?

A cidade de Los Angeles não está alheia a violência. Ela tem uma história grotesca e colorida. O detetive e xerife de homicídios Jim O'Brian e o agente especial do FBI Steve Hoffman conhecem de perto a violência da metrópole, mas na década passada, algo mudou. Tem um serial killer caçando outros serial killers, alguns conhecidos pela lei, outros fora do radar. Iron Eagle, um vigilante, extrai vingança para as vítimas dos serial killers de Los Angeles. Seus métodos são meticulosos e brutais. A cada dia que passa, o Iron Eagle segue impune através das ruas da capital em busca de sua presa. O'Brian r Hoffman criam um grupo de elite com o único propósito de capturá-lo. Mas cada vez mais fundo que eles chegam, mais aparente é que ele seja um deles. 

Esse livro é diferente dos outros livros sobre assassinos em série que já li. Pela história em si e pela quantidade de detalhes que o autor nos fornece. A riqueza de detalhes é impressionante na escrita. Os personagens são bem trabalhados, é quase como se você conhecesse cada um deles e sua forma de pensar e agir. As cenas dos crimes são intensas e extremas. Fiquei me perguntando de onde veio a imaginação para as cenas chocantes que li. Sério, fiquei com calafrios ao ler algumas delas.

Como vocês leram na sinopse, esse livro é sobre um serial killer que caça outros serial killers. O Iron Eagle, ou Águia de Ferro, na tradução literal, usa os mesmos métodos que as vítimas sofreram em suas mortes. Embora seja um assassino em série, ele tem consciência e um motivo para sua matança. Além de toda ação, temos também temos um excelente insight sobre o psicológico de um serial killer. É uma trama cheia de suspense e sangue. Muito sangue.

Durante a história, nós ficamos sabendo a identidade do Iron Eagle, o que foi uma coisa boa e ruim ao mesmo tempo. O lado bom é que deu muita emoção à trama, saber dos próximos passos do criminoso e como ele conseguiu enganar a polícia. O lado ruim é que eu particularmente imaginei que o serial killer fosse permanecer escondido até o fim do livro e que os leitores poderiam dar seus palpites sobre a identidade dele, criando toda aquela expectativa. Mas isso não estragou minha experiência com a leitura, como disse, foi um livro diferente de outros que já li.

Uma coisa que não gostei foi da arte da capa do livro. Achei muito amadora, não sei, com certeza poderia ser bem mais atraente aos olhos. Ficaria muito feliz se o livro ganhasse uma versão em português, infelizmente só temos a versão em inglês.

Estou curiosa para ver como os personagens vão se desenrolar na sequência da trama, principalmente depois que você lê o final. É um livro que prende o leitor até o final. Méritos do autor. Para quem gosta de livros quem misturem romance policial, suspense e serial killer, esse é o livro certo para você.

5 de março de 2019

Resenha: Rastro de Morte - Um Mistério de Keri Locke (Livro 1)

março 05, 2019 0 Comments

Título: Rastro de Morte - Um Mistério de Keri Locke (Livro 1)
Autor(a): Blake Pierce
Ano: 2016
Gênero: Policial, Thriller, Suspense
Editora: Independente

Oi pessoal! Mais um livro lido nesse carnaval e consequentemente trago a resenha para vocês. Rastro de Morte é um livro policial que está disponível na Amazon gratuitamente e é o primeiro livro da série Keri Locke. Vamos à sinopse?

Keri Locke, detetive do Departamento de Pessoas Desaparecidas na Divisão de Homicídios da LAPD, ainda é assombrada pelo rapto de sua própria filha, que foi levada alguns anos antes e nunca mais foi vista. Obcecada em encontrar sua filha, Keri tenta esquecer sua dor da única maneira que conhece: mergulhando nos casos de pessoas desaparecidas em Los Angeles. Uma ligação rotineira de uma mãe preocupada com uma estudante do ensino médio, desaparecida há apenas duas horas, deveria ser ignorada. Mas algo na voz daquela mãe mexe com Keri, e ela decide investigar. O que ela descobre é chocante. A filha desaparecida — de um proeminente senador — estava escondendo segredos de todos. Quando as evidências apontam para uma fuga, Keri é afastada do caso. Ainda assim, apesar da pressão de seus superiores, da mídia, apesar de todas as pistas serem frias, a brilhante e obcecada Keri se recusa a desistir. Ela sabe que só tem 48 horas se quiser trazer essa garota de volta com vida. 

O que mais me deixa animada com livros do gênero policial é que é um gênero difícil do leitor se sentir entediado. E Rastro de Morte me prendeu de uma forma que eu precisei terminar o livro instantaneamente. O enredo é dinâmico e consegue prender o leitor no primeiro capítulo. E por mais que continuemos a ler. não se torna cansativo, pelo contrário, se torna cada vez mais instigante. 

O livro é um thriller com vários acontecimentos simultâneos que impedem que tanto o leitor quanto como a nossa personagem principal, a detetive Keri Locke, durma na expectativa de desvendar o mistério que está a sua frente. Os personagens são bem desenvolvidos, entendemos a personalidade de cada um e em muitos momentos era como se estivéssemos lendo a mente deles. O enredo também contém ótimas reviravoltas, e em muitos momentos nos pegamos perdidos tentando entender o que está acontecendo e qual o caminho a seguir.

O título do livro em português não tem muita conexão com o que acontece na trama, mas não é um defeito tão grave assim. Também haviam alguns pequenos erros de escrita, mas nada que comprometesse a leitura como um todo e acredito que possam ter passado despercebidos por muitos leitores.

Estou bem animada pela continuação e bem curiosa para saber o que vai acontecer na vida da detetive Locke, que se revelou uma personagem cativante e com um bom sexto sentido. É um livro que com certeza eu recomendo.

3 de março de 2019

Resenha: Hollywood Assassin - Alphabet Series Thriller (Book 1)

março 03, 2019 0 Comments

Título: Hollywood Assassin - A Hollywood Alphabet Series Thriller (Book 1)
Autor(a): MZ Kelly
Ano: 2014
Gênero: Policial, Thriller, Suspense
Editora: Independente

Olá pessoal! Mais um livro lido nesse carnaval, e o escolhido da vez foi o livro Hollywood Assassin do autor americano MZ Kelly. O livro é o primeiro de uma série de 23 livros e só olhando os títulos dos próximos livros foi que percebi que cada livro começa com uma letra do alfabeto. O primeiro com a letra A (Assassin), o segundo com B e assim vai. Bem criativo. Ah, um lembrete: o livro é para maiores de idade. Vamos à sinopse?

As coisas poderiam ser pior para a detetive da cidade de Los Angeles, Kate Sexton. Seu ex-marido a traiu e o DVD com as cenas foi visto por todo o departamento; ela está sem dinheiro e mora em cima de uma loja de eletrodomésticos com seu parceiro canino, Bernie; sua amiga tem um linguajar que faz qualquer pessoa se envergonhar, e sua mãe está alucinando que está fazendo sexo com um presidente que já morreu. Mas as coisas poderiam ser pior... caso ela fosse perseguida por um serial killer sadoquista enquanto ela tenta resolver um assassinato que ocorreu há mais de trinta anos e salvar a vida e a reputação de um policial procurado pelo crime. 

Hollywood Assassin definitivamente tem todos os elementos que eu gosto em um livro, ação, suspense, um pouco de comédia e uma trama de deixar o leitor preso nas páginas até terminar. O livro está todo em inglês, mas a linguagem é bem informal, o leitor deve ter um bom domínio do idioma por conta das gírias e expressões jurídicas, mas fora isso, é um livro fácil de ler. Seria muito interessante se houvesse uma versão em português. A história está cheia de referências a autores, diretores, atrizes e filmes produzidos em Hollywood.

Como é possível descobrir pela sinopse, acompanhamos a detetive Kate Sexton em sua jornada para livrar o policial Bautista de um crime que ele não cometeu. A partir daí, vários eventos se desenrolam na história, criando um ritmo frenético. Gostei bastante da forma que o autor desenvolveu o vilão, cujo passado foi bem explorado e temos todas as explicações de seu distúrbio mental e como tudo começou. O interessante é que temos mais de um vilão e todos vão sendo descobertos antes do final  e o desenrolar da trama na verdade envolve como conectar todas as peças do quebra-cabeça sem que sejam mortos no processo.

A história também não deixa pontas soltas, o autor fez um trabalho bom ao finalizar tanto a trama principal como as paralelas. Mas claro que houveram coisas que me incomodaram, como o fato de  após uma noite bebendo vinho com seu colega de trabalho, Kate já dizer que o "destino dos dois estava ligado para sempre". O final também teve seus exageros, mas quando o livro conquista a gente, procuramos relevar essas coisas e levar em conta a experiência geral da leitura.

O livro tem bastante violência explícita, linguagem adulta e conteúdo sexual, que foram alvo de várias críticas de outros leitores, mas pela sinopse do livro eu já imaginei que essa abordagem poderia existir.

Não vejo o livro com maus olhos apesar de ter percebido que recebeu críticas duras do público em geral. Pode não ser o melhor livro policial do mundo, mas tem os elementos que gosto e um enredo interessante, gerando para mim uma experiência positiva de entretenimento.

2 de março de 2019

Resenha: Orgulho e Preconceito

março 02, 2019 0 Comments

Título: Orgulho e Preconceito
Autor(a): Jane Austen
Ano: 1813 (1ª publicação)
Gênero: Romance de época
Editora: Landmark

Oi pessoal! A resenha de hoje é de um livro que eu já li há algum tempo e terminei de reler hoje. Seria um absurdo resenhar outros livros de Jane Austen e não Orgulho e Preconceito. O livro é um clássico do romance de época, que conta com várias edições diferentes, além de uma adaptação de muito sucesso para o cinema. Vamos à sinopse?

Este romance retrata a relação entre Elizabeth Bennet (Lizzy) e Fitzwilliam Darcy na Inglaterra rural do século XVIII. Lizzy possui outras quatro irmãs, nenhuma delas casadas, o que a Sra. Bennet, mãe de Lizzy, considera um absurdo. Quando o Sr. Bingley, jovem bem sucedido, aluga uma mansão próxima da casa dos Bennet, a Sra. Bennet vê nele um possível marido para uma de suas filhas. Enquanto o Sr. Bingley é visto com bons olhos por todos, Darcy, por seu jeito frio, é mal falado. Lizzy, em particular, desgosta imensamente dele, por ele ter ferido seu orgulho na primeira vez em que se encontram. A recíproca não é verdadeira. Mesmo com uma má primeira impressão, Darcy realmente se encanta por Lizzy, sem que ela saiba do fato.
Acredito que Orgulho e Preconceito seja o livro mais conhecido da autora e não podemos negar que é um grande clássico da literatura mundial. Como todos os livros de Jane Austen, nós somos convidados a entender os costumes da época. Quem acompanha os livros dela, sabe que ela tinha uma visão muito crítica da sociedade e sempre buscou em seus livros retratar as dificuldades que as mulheres enfrentavam. Em Orgulho e Preconceito, o tema abordado é o do casamento e como a vida da mulher é afetada por esse evento.

Como o próprio nome do livro e a sinopse sugerem, acompanhamos a história de Elizabeth e Darcy. Ela, à frente do seu tempo e com opiniões fortes; e ele, orgulhoso e preconceituoso com aqueles à sua volta, sempre os analisando para saber se valem a pena o seu tempo. Ocasiões isoladas geram opiniões baseadas em preconceitos sem um claro conhecimento da pessoa. Nessa história, o maior defeito de todos é o orgulho exagerado.

A escrita é feita com maestria, a personalidade de cada personagem fica muito clara para quem acompanha a trama, e apesar de gostar muito da forma como ela escreve, não posso deixar de afirmar que algumas partes do livro são monótonas. O livro melhora consideravelmente na segunda metade, onde acompanhamos todo o desenrolar dos casais formados até então.

O romance que existe nesse e em seus outros livros são vividos de forma diferente do que vemos hoje em dia. Primeiro é preciso conhecer a pessoa, saber da sua índole, levar em consideração sua família e suas conexões, para só então ter um noivado anunciado. E só a partir do casamento que qualquer contato mais íntimo é permitido. A autora explora duas facetas em Orgulho e Preconceito, a primeira é a do amor puro, que vai se desenvolvendo com o passar do tempo, onde o comportamento e as atitudes das pessoas são observadas e são determinantes para o sentimento surgir. E a outra, é a da paixão sem prudência, onde atitudes sem pensar levam os personagens a tomarem atitudes impensadas e que naquele tempo mancham não somente a honra da mulher, mas também a de toda a família em si.

Apesar da história já ser conhecida devido ao filme, sempre recomendo a leitura do livro. Muitos detalhes que não são mostrados no filme estão presentes no livro e fazem a diferença. Orgulho e Preconceito é o carro chefe de Jane Austen e é totalmente merecido.